QR Code para bibliotecas e livros: why not?

Agora toda vez que vou ao supermercado, folheio uma revista no salão de beleza, ou esbarro em um cartaz comercial no ponto de ônibus, uma figura estranha e comum me salta aos olhos: o QR Code.

QR-Code

Esse novo código de barras chegou para ficar. É um facilitador amigável para todos aqueles que, mesmo com um smartphone não tão top de linha e nem com uma câmera tão boa, possibilita deixar na palma de nossas mãos a informação necessária de um produto ou serviço. Bom para o comércio eletrônico, para a divulgação de serviços, para ganharmos cupons de desconto, para divulgar um site, para nos informarmos, principalmente. O QR Code nos leva para a informação adicional, para a novidade, de um jeito tão fácil. E tudo o que precisamos hoje em dia é acesso fácil, rápido, objetivo, fazendo pouco esforço. Não vou definir QR Code do meu jeito se o pessoal do iMasters já o fez tão bem e resumidamente:

“O código de matriz QR Code, tem sua capacidade ampliada freqüentemente, mas uma das funções mais “adoradas” é o acesso a endereços de sites tirando apenas uma foto com o seu celular. “Yep!”, isso mesmo. O usuário está lendo uma revista, acha um anúncio interessante que, no final da página geralmente, vem com um QR Code. Ele tira uma foto do código e um programa interpreta automaticamente o registro e redireciona o usuário para o site do anunciante.”

Já vi tanto uso interessante e engraçado por aí, que me peguei perguntando o óbvio: e as bibliotecas? Sempre penso nas bibliotecas, né?! 😀 Quando me questionei, logo imaginei que as livrarias já estariam saindo na frente, mas, pelo menos na terrinha onde moro atualmente (Petrópolis, RJ) não vi nada semelhante (até porque aqui tem uma variedade de livrarias, só que não…). Daí fui atrás do meu amigo Google, e achei tanta coisa, que me afoguei em informação! Fiquei tão emocionada e orgulhosa com os resultados, que cheguei a belíssima conclusão: bibliotecas precisam usar QR Codes.

Mas como? Existem mil possibilidades! Algumas ideias:

– Um QR Code por livro. Após a fotografia do código em um livro específico, o leitor pode ter acesso a sinopses, resenhas, classificações, outras bibliotecas que também tenham o material, até mesmo ao próprio catálogo da biblioteca

– QR Codes espalhados pelo campus da universidade. Divulgue as últimas novidades da biblioteca em todo o espaço físico de uma universidade. Assim, a biblioteca não mais se resume a um único espaço, ela está em todos os cantos. 

– QR Codes nas salas de estudo/pesquisa. O usuário está com dúvidas e precisa de suporte? Fotografe o código e uma caixa de contato abrirá. Também serve para o famoso serviço de referência conhecido como “Fale com o bibliotecário / Ask a librarian”.

– QR Code para livros eletrônicos. Qualquer código em qualquer lugar que remeta ao livro em sua versão eletrônica (bom para livros que estão em domínio público).

– QR Code para adverter. Cole-os em mesas, notebooks, PCs, tablets, consoles, etc., da sua biblioteca. Toda vez que o usuário estiver, por exemplo, usando o tablet da biblioteca, ao acessar o código, uma advertência com cuidados de preservação entre outras informações importantes serão exibidas.

– QR Codes para promoções. Porque não o usuário concorrer a promoções promovidas pela biblioteca após acessar o QR Code?

– QR Codes para CDD/CDU e afins. Aquele momento em que o usuário caminha pela classe 800 entre as estantes, mas gostaria de entender melhor o estilo da classificação e a abrangência do assunto.

– QR Codes para redes sociais. Divulgue as páginas da sua biblioteca através dos códigos.

– QR Codes para livros em áudio. Redirecione o leitor para a versão em áudio de determinado livro

QR Code LibraryMuita coisa é possível se você deixar a imaginação rolar e pesquisar a fundo. O único triste ainda nessa história é que, infelizmente, nem todo mundo tem smartphone/tablet ou entende do que o QR Code se trata. E é muito fácil criar um código! Tive o sonho maluco de ver “o fim” da catalogação manual e exaustiva imaginando que um belo dia códigos como QR Code ou até NFCs da vida serão os grandes armazenadores de metadados que, após lidos, já apresentam as informações do material. É o ISBN trazendo consigo uma bagagem básica de informação. Que ganho de tempo!

Se você, assim como eu, gostou da ideia e se animou, veja algumas experiências e dicas nestes links:

QR Codes & Libraries | Slideshare: http://goo.gl/F45IsC

Biblioteca divulga serviços e incentiva leitura por meio do QR Code | IFF: http://goo.gl/6NHBju (selo brasileiro de experiência hehehe)

Austrian city builds public library with nothing but QR Codes, NFC and stickers | Engadget: http://goo.gl/iiCB7s

Gere seu QR Code | Kaywa: http://goo.gl/F6Qjws

QR Codes in libraries | Track QR Codes:  http://goo.gl/ORjFi7

QR Codes in the library: a window to online research services | Harvard University Library: http://goo.gl/qnHA3a

QR Codes: uses in libraries | Library Success, a best practices wiki: http://goo.gl/elTEC

Bora escrevermos um projetinho?! 😀

Advertisements